• Luiz Machado

Hellraiser: do pior ao melhor

Sempre fui aficionado por Hellraiser. Me lembro de pegar o primeiro filme na locadora quando era adolescente e assistir encantado o caos daquele primeiro filme. Com o passar dos anos a obsessão cresceu ao ponto de eu ler os livros do Clive Barker sobre e até gastar um dinheirão desnecessário em um action figure do Pinhead. Porém mesmo gostando tanto assim, nunca tinha me aventurado na franquia, pois o amor estava no PRIMEIRO filme. Pois muito que bem, depois de eras me enrolando finalmente decidi mergulhar de cabeça em piscina rasa e assistir TODOS os filmes de Hellraiser já produzidos e os rankeei aqui para você. Acompanhe do PIOR ao MELHOR a longa e dolorosa descida ao inferno:



10 - Hellraiser: Revelations (2011)


Começando a lista com o fundo do poço, pois não tem coisa pior que isso. O negócio é, nesse ponto, Hellraiser já estava em seu NONO filme e a franquia tinha entrado em um empasse legal. Em 2010 a Dimension chegou perto de perder os direitos que automaticamente voltariam pra mão do Clive Barker. Sem querer perder a galinha anêmica que nem ovo estava dando mais - e sem vontade nenhuma de dar pra franquia um reboot grandioso como outras iriam ganhar depois - eles contratam um maluco pra produzir as pressas o nono filme.


O problema é que nesse o Doug Bradley (que interpretou o Pinhead em todos os filmes anteriores da franquia) deu um basta à loucura e pela primeira vez recusou retornar para o papel. A desculpa dele é que seria o primeiro filme sem propósito de existir. A Dimension só queria manter os direitos e estava fazendo isso aqui a preço de batata.


Todo mundo chega a seu limite e o Doug pulou fora desse Titanic (que nesse ponto já estava 85% submerso). Pra resolver o problema de perder a grande estrela que aguentou 8 filmes dessa franquia, eles contrataram um maluco podrão pra substituir e ele é PÉSSIMO.

O filme foi produzido às pressas em um fim de semana pra ficar pronto no mês seguinte e eles lançarem antes do contrato vencer. É uma VERGONHA. Não deram nem o dinheiro do troco da passagem de busão, chega a dar pena da galera fazendo aquilo ali. Pior de tudo é que o filme tem 70 minutos e é ridiculamente amador. Parece que foi aquele seu primo de 12 anos (cujo filme favorito provavelmente é Jogos Mortais 6) que escreveu e dirigiu. Patético.



9 - Hellraiser: Hellseeker (2002)


Ok, esse aqui me ofende. Enquanto Revelations é só patético, esse aqui é ofensivo. Como uma tentativa super esquisita de retomar a história original, nesse temos o retorno da Ashley Laurence como uma versão adulta da Kirsty (a protagonista dos dois primeiros filmes). Só que por algum motivo ela não tem memória do que aconteceu no passado e serve como esposa trágica coadjuvante de luxo do protagonista insuportável. Não faz o menor sentido e não tem motivo nenhum pra existir. Não entendi. Achei falta de respeito.


Ironicamente a cena final é boa? Tem um dos melhores desfechos de filme da franquia por mais previsível que seja.



8 - Hellraiser: Inferno (2000)


Chegamos ali nos anos 2000 e é quando a coisa começou a ficar tensa. A Dimension lança uma série de filmes direto pra DVD apenas com o objetivo de manter os direitos da franquia. Em 2000 sai o Hellraiser: Inferno, que é realmente um inferno de assistir.

Esse sonífero é um pseudo suspense policial noir, super desconexo, sem graça e sem propósito. Não acrescenta em nada a franquia e meio que perde a maioria dos elementos que tornam Hellraiser algo único. É só um filme genérico de policial. Scott Derrickson, que dirigiu filmes como A Entidade e O Exorcismo de Emily Rose, comandou esse aqui e tentou dar algo de novo para a franquia. O principal antagonista só aparece nos minutos finais, mas a construção do filme não vale e além de construir expectativa ele apenas frustra.



7 - Hellraiser: Judgment (2018)


Depois do estrago causado pelo Revelations, a franquia foi colocada pra dormir de novo por mais 7 anos, com o contrato começando a vencer mais uma vez a Dimension manda mais um catarro em forma de filme. Ele é bom? Não, está longe de ser, mas comparado à tudo o que tive que assistir até chegar nele, acaba sendo uma experiência minimamente decente. Foi claramente filmado com 5 reais, os atores pagos com um pastel de queijo e caldo de cana, usaram as roupas de BDSM que o diretor tinha em casa e a filmagem parece saída direto das lentes de uma TekPix. Porém mesmo com limitações, ele ainda é caprichado. O maior problema é o roteiro que quer desesperadamente ser Seven do David Fincher.



6 - Hellraiser: Deader (2005)


Apesar de ainda ser ruim, é bem menos que os dois antecessores. Esse surpreendentemente consegue pegar um pouco do espírito da franquia e aplicar de maneira interessante. Alguns elementos funcionam, outros não, visualmente é bem zoado e com maior cara de home video, mas dá pra chegar até o final. Tem uma cena muito boa em que a protagonista está com uma faca cravada nas costas e ela tenta tirar e, mesmo não fazendo o menor sentido, ela ainda consegue te deixar tenso. No mais, não tem nada de muito especial e marcante além disso, a protagonista é boa e ele consegue entreter... Boa sorte!


5 - Hellraiser III: Hell on Earth (1992)


Talvez seja uma polêmica entre fãs da franquia aqui, mas acho esse filme bem dispensável e sem graça. O problema de maratonas é colocar em perspectiva tudo o que você assistiu, nesse ponto eu ainda estava feliz e aquecido por conta dos deliciosos dois primeiros filmes, então isso aqui vir em sequência foi... Decepcionante. Mas apesar de não ser AQUELE filmão, esse terceiro ainda mantém uma espécie de espírito e coerência com a franquia. É a última tentativa de fazer alguma continuação, a partir do quarto cada filme segue sua própria linha.


A maior falta desse aqui é não ter a presença absurda da Ashley Laurence para dar espaço à essa protagonista chata. Nenhum personagem é marcante o suficiente para ficar com você e o máximo que você vai se lembrar deles é que tem um cara bombadão todo ogro (que, por eu não ter amor próprio, achei muito gostoso). Tem uma cena ótima do Pinhead dentro da igreja que a protagonista solta uma piadinha marota e me fez engasgar de rir, mas tirando isso não sei se têm algo memorável, além de nudez masculina, para fazer esse filme valer a pena.



4 - Hellraiser: Hellworld (2005)


2005 foi O ANO para essa franquia e por algum motivo eles engatam mais de um filme? Esse aqui saiu quase que junto com Deader só que dessa vez foi ICÔNICO pelos motivos errados. Hellworld é gloriosamente ruim! O filme não faz o menor sentido, parece que pegaram o roteiro de algum slasher adolescente do começo dos anos 2000 e forçaram Hellraiser no meio. São longas cenas desconexas que lutar para se encaixar em uma narrativa bagunçada e cheia de diálogos vergonhosamente ruins. Pra coroar tem Katheryn Winnick e Henry Cavill com performances ridículas de início de carreira. Repito, é tão ruim, mas TÃO ruim, que dá a volta e vira uma experiência quase transcendental de comédia. Eu ri igual um jumento o filme inteiro. Eu simplesmente amo esse filme e acho que você deveria passar pela experiência de assistir esse desastre cinematográfico também.



3 - Hellraiser: Bloodline (1996)


O quarto filme é uma porralouquice deliciosa, são três timelines diferentes competindo atenção e nada se encaixa direito... E por isso acaba se tornando super divertido de assistir. Nós temos aristocratas assassinos, uma tripulação numa nave espacial e um plot nos anos 90. Mesmo não tendo muito de novo a oferecer além de visuais diferenciados, ele ainda se destaca por ser o último sopro de originalidade na franquia antes dela ir para o home vídeo. Vale a pena muito pelo entretenimento puro que só um filme ruim desse pode proporcionar.



2 - Hellbound: Hellraiser II (1988)


Parece redundante falar que os melhores filmes da franquia são os dois primeiros, mas depois de tata dor e tanto sofrimento (sem a parte do prazer que me foi prometida), é sempre necessário reforçar. Este segundo filme é tão bom quanto seu antecessor, ele perde um pouco o charme contido do primeiro filme, mas ganha com o body horror e a divertida descida até o inferno que é o segundo ato. Maior, mais exagerado e, por consequência, mais frenético, Hellbound é nojento e delicioso na mesma proporção, além de costurar muito bem com o primeiro e dar um gosto de ciclo se encerrando para a narrativa da Kisrty. Gosto bastante desse.



1 - Hellraiser (1987)


E para fechar essa longa saga, mais uma redundância, Hellraiser é FODA! Mesmo sendo talvez o mais contido dos filmes, ele sustenta até hoje uma aura de violência sexual e os mais puros delírios fetichistas cheios de couro e sangue. É um filme bizarro, envolvente, tenso e gloriosamente icônico em todos os detalhes, de seus demônios imortalizados na história do cinema de horror, os Cenobitas, à sua final girl. Importante ressaltar como a força desse filme também está atrelada ao carisma da Ashley Laurence e sua personagem nem um pouco convencional para a época, que fugia completamente dos clichês do que seria a protagonista de um filme de horror. Extremamente memorável, é um dos meus filmes favoritos e vai estar pra sempre canonizado como a obra-prima de Clive Barker e um dos melhores filmes já feitos (sem exagero algum).

0 comentário