• Leonardo Medeiros

[Crítica] Only Murders in the Building olha com carinho para seus personagens

Atualizado: Out 24



Espirituosa, cativante e levemente melancólica, Only Murders In The Building, a nova dramédia do Hulu e exibida pelo Star+ no Brasil, surpreende enquanto flutua por gêneros diferentes com um trio protagonista cheio de química. Criada por Steve Martin, John Hoffman e Dan Fogelman, a série estabelece conflitos de forma absolutamente eficiente desde os seus primeiros minutos quando três moradores do mesmo prédio se encontram no elevador.


Mabel (Selena Gomez), Charles (Steve Martin) e Oliver (Martin Short) são vizinhos de apartamento, moradores do The Arconia e, embora não se conheçam, dividem algumas características: são solitários, com poucos amigos e fortemente obcecados por podcasts de true crime. Quando o alarme de incêndio do prédio dispara e um vizinho chamado Tim Kono (Julian Cihi) é encontrado morto após supostamente atirar em si mesmo, o trio passa a desconfiar que ele na verdade foi assassinado.


O mistério que permeia a temporada é desenvolvido de forma divertida e engaja o espectador com facilidade. As peças para desvendar o que aconteceu são dispostas de forma sempre inteligente em episódios e setpieces criativos e diferentes uns dos outros. Há uma variedade enorme dentro da temporada; tem episódio sem falas (por conta de um coadjuvante mudo), episódios narrados por vizinhos, flashbacks que ressignificam situações apresentadas previamente e até um episódio narrado pelo vizinho morto que deu origem ao mistério. A série também é inteligente ao transformar o The Arcadia em um ambiente cheio de personalidade, cada vizinho e cada coadjuvante tem seu momentos; as fofocas entre os corredores e as intrigas entre moradores são fundamentais para estabelecer o clima de mistério.



Mas enquanto desenvolve a trama, a série não se esquece do seu principal trunfo e demonstra ser absolutamente apaixonada por seus protagonistas. Only Murders olha para Mabel, Charles e Oliver como se existissem universos inteiros dentro deles e a situação fica ainda mais rica quando a realidade de um começa a colidir com a dos outros. Mabel é uma millennial de 27 anos, enquanto Charles e Oliver já passaram dos 60 e enfrentam a dura realidade do fim de suas carreiras artísticas. A série representa muito bem como essa troca cultural entre pessoas de gerações diferentes acontece e como isso se torna uma forma de evitar a solidão que cerca suas realidades. Um dos aspectos mais interessantes e comoventes é a forma como o mistério e a amizade do trio serve para preencher aspectos da vida de cada um deles; enquanto Mabel enfrenta os traumas causados pela morte de uma amiga na adolescência, Charles é assombrado por bonecos gigantes do Pernalonga e Gaguinho que o relembram do seu passado de abandono, e Oliver tenta restabelecer conexões com sua família — vítima das pretensões artísticas do personagem.



Com os personagens ocupando o cerne da série com tanta potência, era necessário um elenco talentoso o suficiente para embasar o trio. Selena Gomez aposta no carisma e no olhar melancólico para construir uma jovem que parece sem preparo para enfrentar a vida adulta, enquanto Short molda seu inquietante personagem como se ele sentisse a necessidade de estar ativo e fazer piadas o tempo inteiro para esquecer seus problemas econômicos e familiares. Mas é Steve Martin e seu fenomenal personagem que são a alma da série: flutuando entre o drama e a comédia tão rapidamente quanto o texto, Martin mantém um timing cômico impecável, se saindo bem tanto em gags físicas (uma sequência envolvendo um gato morto é especialmente marcante) quanto nos momento mais dramáticos. Acredite: assistir Steve Martin em Only Murders in the Building é como fazer um amigo. A série ainda conta com participações de figuras icônicas da comédia como Tina Fey, Amy Ryan, Jackie Hoffman e Jane Lynch.


Capturando o zeitgeist dos podcasts de true crime de forma inteligente, abordando a cultura dos fãs e das redes sociais, as piadas de Only Murders são espirituosas e atuais sem soarem artificiais e sempre abrem espaço para seus personagens brilharem.


O mistério "Quem matou Tim Kono?" é suficientemente interessante para prender o espectador à série, mas seus personagens é o que tornam ela indispensável. A temporada ainda finaliza com um gancho que abre muitas possibilidades sem cansar o espectador com repetições. Mas o importante é que esse primeiro ano termina com uma certeza: Mabel, Charles e Oliver vieram para ficar.


ONLY MURDERS IN THE BUILDING - 1ª TEMPORADA

EUA | 2021

Criado por: Steve Martin, John Hoffman e Dan Fogelman

Elenco: Steve Martin, Selena Gomez, Martin Short, Tina Fey, Amy Ryan, Jackie Hoffman e Jane Lynch


0 comentário